Vingadores Ultimato | Crítica SEM SPOILERS

E hoje (25/04) chegou aos cinemas a épica conclusão dos 10 anos de MCU (Marvel Cinematic Universe), Vingadores: Ultimato
Após Thanos eliminar metade das criaturas vivas, os Vingadores têm de lidar com a perda de amigos e entes queridos. Com Tony Stark vagando perdido no espaço sem água e comida, Steve Rogers e Natasha Romanov lideram a resistência contra o titã louco.


A conclusão da Saga do Infinito traz uma continuação direta e fora de todos os formatos da tão famigerada "Fórmula Marvel", tanto que logo em 10 minutos de filme você já está pulando na cadeira e pensando "Meu Deus, para onde vamos agora?" e infelizmente isso vai se perdendo pelo filme.
Essa quebra de expectativa e surpresa com acontecimentos inesperados acaba nesses 10 minutos, todo o resto do filme é totalmente previsível e por incrível que pareça, mesmo com uma duração bem longa (3h1m), o filme tem um ritmo bem corrido e não desenvolve muito bem certos pontos que foram cruciais em Guerra Infinita, sendo uma sucessão de Deus Ex Machina atrás de Deus Ex Machina e que tira um pouco do drama que foi criado no file anterior e tornando uma missão que seria quase impossível em uma tarefa fácil e com resoluções fracas.
Algumas decisões foram complicadas de serem tomadas, mas entendo perfeitamente o porquê de terem sido tomadas, até porque esse era o final desses heróis e todos mereciam um final digno (exceto para um deles...) mas o que era uma marca registrada está fora desse filme, não há perspectiva para continuações, a não ser uma dica aqui ou ali de possíveis ganchos para vindouras séries no serviço de streaming Disney+, até a participação de Stan Lee, que sempre é marcante nos filmes da empresa, é fraca, não há sequer uma menção ao mestre que nos deixou no final do ano passado.
Mas para não parecer um Eustácio Resmungão e que detestei o filme, aqui vão os pontos positivos. A ação do filme é impecável e as coreografias de cenas de luta estão incríveis, a batalha final é um colírio para os olhos trazendo as lágrimas até aos mais chatos (eu me encaixo aqui), efeitos especias nem precisam de comentários mais profundos pois sempre é um primor (mesmo achando esse Thanos um pouco menos realista que o último) e o filme, mesmo corrido, soube mesclar momentos de tensão e diálogo com batalhas incríveis e grandiosas.
É um encerramento digno para esses 10 anos e só isso, será provavelmente a maior bilheteria da história, mas suas consequências não chegarão nem perto do efeito Guerra Infinita.

Um comentário: